Receba os novos posts pelo seu e-mail

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

35. O fracasso da política econômica do Meirelles.

Crédito da imagem: Estadão

O governo Temer tem necessidade de fazer caixa para complementar o rombo de R$ 170 bilhões do Orçamento Fiscal primário proposto para este ano. Sem nenhum interessado na privatização da empresa sob controle do governo federal, a CELG, de Goiás, o governo cancelou a licitação que estava marcada para esta sexta-feira, dia 19. 

O governo esperava arrecadar R$ 2,8 bilhões na privatização da Celg. O mercado da área de investimentos diretos, segundo grande imprensa, imagina que o preço mínimo estava fora do mercado. Embora, o governo tente achar o culpado pelo fracasso, o episódio foi um revés para o governo Temer. Embora, o governo tente "colar" a culpa aos chineses pela falta de interesse, para mim, o episódio mostra apenas a ponta de "iceberg" do equívoco da política econômica do Meirelles.

Um dos motivos apontado pelos investidores foi o inadequado levantamento do patrimônio líquido da Celg, que teria considerado a conversão da dívida com a Itaipu Binacional de US$ 334,9 milhões foi convertido pelo câmbio mais favorável à Companhia, contrariando o que determina a Lei das Sociedades Anônimas e Deliberação da CVM que regula a matéria.

Embora, as razões técnicas errôneas estejam sendo usado como justificativa pela ausência dos investidores diretos (não especulativos), a grande imprensa e o próprio governo faz "ouvido de mouco" sobre o verdadeiro motivo do "fracasso" da privatização. O que o governo Temer não quer admitir é a o motivo da falta de ineresse para que os investidores institucionais invistam em sistema produtivo, correndo os riscos inerentes aos negócios se há disponível no mercado financeiro brasileiro investimentos especulativos garantido pelo próprio Tesouro Nacional, com juros reais, a mais alta do planeta.

Vamos repisar na mesma tese de sempre, defendida por nós, sobre a necessidade de uma política econômica que vise o desenvolvimento sustentável. A atual política econômica optou por privilegiar os investidores especulativos pagando a taxa de juros reais, a mais alta do mundo. Se persistir na atual visão da política econômica do ministro da Fazenda Henrique Meirelles, o País vai levar mais tempo do que se possa imaginar para retomar o ciclo de desenvolvimento, tão esperado pela população brasileira.

Recomendo a leitura das matérias anteriores para entender melhor a tese que estou a sustentar, a da política econômica liberal, para colocar o País no caminho do desenvolvimento sustentável.

Ossami Sakamori


Um comentário:

  1. Se você pode investir em papéis que lhe rendem bilhões, por que cargas d'água irá se meter em produzir e ter trabalhos e encargos? Nosso país fomenta a criação de monstros devoradores do nosso Tesouro Nacional. E assim INVESTIMENTOS PRODUTIVOS FICAM EM SEGUNDO, TERCEIRO PLANO...

    ResponderExcluir

Espaço reservado para expressão de livre pensamento, desde que obedecidas as boas regras de civilidade. Não permitimos o uso de palavras incompatíveis com o propósito deste blog.