Receba os novos posts pelo seu e-mail

domingo, 25 de dezembro de 2016

68. Perspectiva para 2017


Esta é a matéria de número 67 deste blog, que foi aberto após a posse do Michel Temer no cargo de presidente da República. Resolvi abrir este espaço para que os leitores encontrem aqui a alternativa da política econômica do governo Temer. Vejo equívoco enorme na matriz econômica defendida pela equipe econômica do Temer. 

Não tem sido fácil convencer a grande imprensa e os principais articulistas econômicos sobre os equívocos cometidos na formulação da política econômica e monetária que norteiam a "pinguela" do Temer para alcançar o suposto desenvolvimento econômico do País. Muitas vezes, sou censurado pelos leitores meus, de que deveria dar um "voto de confiança" à equipe do governo Temer, levando em conta que "herdou" a crise econômica do governo Dilma.

Na interinidade ou não, o presidente Temer está no posto há mais de 7 meses. O tempo deveria ter sido o suficiente para apresentar a saída da crise econômica, pois que mesmo antes da posse já apresentava o programa "uma ponte para o futuro". As medidas apresentadas até hoje, algumas já aprovadas e outras a serem aprovadas, embora sejam estruturantes, não mostram o caminho do desenvolvimento sustentável.

Desde as primeiras matérias estou numerando as matérias para facilitar a identificação num eventual fórum de discussão. Em várias matérias tenho mostrado que o desenvolvimento do País passa necessariamente pela política monetária sustentável que induza os capitais nacionais e internacionais investirem em setores produtivos. Quem tem o mínimo conhecimento da economia, sabe que o desenvolvimento sustentável do País terá que passar necessariamente pela "política cambial" e "política de juros" compatíveis com as que são praticadas pelos países desenvolvidos. Não é por falta de "instrumentos" que a equipe econômica não as põe em prática. 

Alguns conceitos que são adotadas e alardeados pela grande imprensa e pelos articulistas econômicos como "dólar baixo" e "juros altos" como solução para superar a crise econômica, vão na contra-mão do desenvolvimento sustentável. Pelo contrário, os indicadores mostram a "fragilidade" da política economia do governo brasileiro. Pelo contrário, a atual política monetária atendem apenas aos interesses dos bancos e "agiotas" nacionais e internacionais, agravando cada vez mais  a situação da dívida pública do País. 

Os leitores que quiserem se inteirar da "nova matriz econômica" proposta por este que escreve, terão que ter a paciência de fazer a leitura de cada matéria deste blog, que vai de 1 a 67. Difícil resumir 67 matérias em poucas linhas. Em complemento, poderão os leitores acessar ao meu e-book: Brasil tem futuro? . Recomendo a leitura para melhor compreensão do contexto.

O ano de 2017 não será nada fácil. 

Ossami Sakamori
@BrasilLivre



quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

67. Odebrecht and Brasken agree to pay at least $ 3.5 billion in Global Penalties


FOR IMMEDIATE RELEASE

Wednesday, December 21, 2016

Odebrecht and Braskem Plead Guilty and Agree to Pay at Least $3.5 Billion in Global Penalties to Resolve Largest Foreign Bribery Case in History


Odebrecht S.A. (Odebrecht), a global construction conglomerate based in Brazil, and Braskem S.A. (Braskem), a Brazilian petrochemical company, pleaded guilty today and agreed to pay a combined total penalty of at least $3.5 billion to resolve charges with authorities in the United States, Brazil and Switzerland arising out of their schemes to pay hundreds of millions of dollars in bribes to government officials around the world. 
Deputy Assistant Attorney General Sung-Hee Suh of the Justice Department’s Criminal Division, U.S. Attorney Robert L. Capers of the Eastern District of New York, Assistant Director Stephen Richardson of the FBI’s Criminal Investigative Division and Assistant Director in Charge William F. Sweeney of the FBI’s New York Field Office made the announcement.
“Odebrecht and Braskem used a hidden but fully functioning Odebrecht business unit—a ‘Department of Bribery,’ so to speak—that systematically paid hundreds of millions of dollars to corrupt government officials in countries on three continents,” said Deputy Assistant Attorney General Suh.  “Such brazen wrongdoing calls for a strong response from law enforcement, and through a strong effort with our colleagues in Brazil and Switzerland, we have seen just that.  I hope that today’s action will serve as a model for future efforts.”
“These resolutions are the result of an extraordinary multinational effort to identify, investigate and prosecute a highly complex and long-lasting corruption scheme that resulted in the payment by the defendant companies of close to a billion dollars in bribes to officials at all levels of government in many countries,” said U.S. Attorney Capers.  “In an attempt to conceal their crimes, the defendants used the global financial system – including the banking system in the United States – to disguise the source and disbursement of the bribe payments by passing funds through a series of shell companies.  The message sent by this prosecution is that the United States, working with its law enforcement partners abroad, will not hesitate to hold responsible those corporations and individuals who seek to enrich themselves through the corruption of the legitimate functions of government, no matter how sophisticated the scheme.”
“This case illustrates the importance of our partnerships and the dedicated personnel who work to bring to justice those who are motivated by greed and act in their own best interest,” said Assistant Director Richardson.  “The FBI will not stand by idly while corrupt individuals threaten a fair and competitive economic system or fuel criminal enterprises.  Our commitment to work alongside our foreign partners to root out corruption across the globe is unwavering and we thank our Brazilian and Swiss partners for their tireless work in this effort.”
“No matter what the reason, when foreign officials receive bribes, they threaten our national security and the international free market system in which we trade,” said Assistant Director in Charge Sweeney.  “Just because they’re out of our sight, doesn’t mean they’re beyond our reach.  The FBI will use all available resources to put an end to this type of corrupt behavior.”
Odebrecht pleaded guilty to a one-count criminal information filed today by the Criminal Division’s Fraud Section and the U.S. Attorney’s Office in the U.S. District Court for the Eastern District of New York, charging the company with conspiracy to violate the anti-bribery provisions of the Foreign Corrupt Practices Act (FCPA).  Odebrecht agreed that the appropriate criminal fine is $4.5 billion, subject to further analysis of the company’s ability to pay the total global penalties.  In related proceedings, Odebrecht also settled with the Ministerio Publico Federal in Brazil and the Office of the Attorney General in Switzerland. 
Under the plea agreement, the United States will credit the amount that Odebrecht pays to Brazil and Switzerland over the full term of their respective agreements, with the United States and Switzerland receiving 10 percent each of the principal of the total criminal fine and Brazil receiving the remaining 80 percent.  The fine is subject to an inability to pay analysis to be completed by the Department of Justice and Brazilian authorities on or before March 31, 2017, because Odebrecht has represented it is only able to pay approximately $2.6 billion over the course of the respective agreements.  Sentencing has been scheduled for April 17, 2017. 
Braskem, whose American Depositary Receipts (ADRs) are publicly traded on the New York Stock Exchange, separately pleaded guilty to a one-count criminal information filed in the Eastern District of New York charging it with conspiracy to violate the anti-bribery provisions of the FCPA.  Braskem agreed to pay a total criminal penalty of $632 million.  Sentencing has not yet been scheduled.  In related proceedings, Braskem also settled with the U.S. Securities and Exchange Commission (SEC), the Ministerio Publico Federal in Brazil and the Office of the Attorney General in Switzerland.  Under the terms of its resolution with the SEC, Braskem agreed to a total of $325 million in disgorgement of profits.  Braskem agreed to pay Brazilian authorities 70 percent of the total criminal penalty and agreed to pay the Swiss authorities 15 percent.  The department has agreed to credit the criminal penalties paid to Brazilian and Swiss authorities as part of its agreement with the company.  The United States will receive $94.8 million, an amount equal to 15 percent of the total criminal fines paid by Braskem. 
Under their respective plea agreements, Odebrecht and Braskem are required to continue their cooperation with law enforcement, including in connection with the investigations and prosecutions of individuals responsible for the criminal conduct.  Odebrecht and Braskem also agreed to adopt enhanced compliance procedures and to retain independent compliance monitors for three years.  The cases are assigned to U.S. District Judge Raymond J. Dearie of the Eastern District of New York.
The combined total amount of United States, Brazilian and Swiss criminal and regulatory penalties paid by Braskem will be approximately $957 million.  The combined total amount of penalties imposed against Odebrecht will be at least $2.6 billion and up to $4.5 billion.  With a combined total of at least $3.5 billion, today’s resolutions with Odebrecht and Braskem are the largest-ever global foreign bribery resolution.     
The Bribery Schemes
According to its admissions, Odebrecht engaged in a massive and unparalleled bribery and bid-rigging scheme for more than a decade, beginning as early as 2001.  During that time, Odebrecht paid approximately $788 million in bribes to government officials, their representatives and political parties in a number of countries in order to win business in those countries.  The criminal conduct was directed by the highest levels of the company, with the bribes paid through a complex network of shell companies, off-book transactions and off-shore bank accounts. 
As part of the scheme, Odebrecht and its co-conspirators created and funded an elaborate, secret financial structure within the company that operated to account for and disburse bribe payments to foreign government officials and political parties.  By 2006, the development and operation of this secret financial structure had evolved such that Odebrecht established the “Division of Structured Operations,” which effectively functioned as a stand-alone bribe department within Odebrecht and its related entities.  Until approximately 2009, the head of the Division of Structured Operations reported to the highest levels within Odebrecht, including to obtain authorization to approve bribe payments.  After 2009, this responsibility was delegated to certain company business leaders in Brazil and the other jurisdictions.  To conceal its activities, the Division of Structured Operations utilized an entirely separate and off-book communications system, which allowed members of the Division of Structured Operations to communicate with one another and with outside financial operators and other co-conspirators about the bribes via secure emails and instant messages, using codenames and passwords. 
The Division of Structured Operations managed the “shadow” budget for the Odebrecht bribery operation via a separate computer system that was used to request and process bribe payments as well as to generate and populate spreadsheets that tracked and internally accounted for the shadow budget.  These funds for the company’s sophisticated bribery operation were generated by the Odebrecht Finance Department through a variety of methods, as well as by certain Odebrecht subsidiaries, including Braskem.  The funds were then funneled by the Division of Structured Operations to a series of off-shore entities that were not included on Odebrecht’s balance sheet as related entities.  The Division of Structured Operations then directed the disbursement of the funds from the off-shore entities to the bribe recipient, through the use of wire transfers through one or more of the off-shore entities, as well as through cash payments both inside and outside Brazil, which were sometimes delivered using packages or suitcases left at predetermined locations. 
Odebrecht, its employees and agents took a number of steps while in the United States to further the scheme.  For instance, in 2014 and 2015, while located in Miami, two Odebrecht employees engaged in conduct related to certain projects in furtherance of the scheme, including meetings with other co-conspirators to plan actions to be taken in connection with the Division of Structured Operations, the movement of criminal proceeds and other criminal conduct.  In addition, some of the off-shore entities used by the Division of Structured Operations to hold and disburse unrecorded funds were established, owned and/or operated by individuals located in the United States.  In all, this conduct resulted in corrupt payments and/or profits totaling approximately $3.336 billion.
Braskem also admitted to engaging in a wide-ranging bribery scheme and acknowledged the pervasiveness of its conduct.  Between 2006 and 2014, Braskem paid approximately $250 million into Odebrecht’s secret, off-book bribe payment system.  Using the Odebrecht system, Braskem authorized the payment of bribes to politicians and political parties in Brazil, as well as to an official at Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras (Petrobras), the state-controlled oil company of Brazil.  In exchange, Braskem received various benefits, including: preferential rates from Petrobras for the purchase of raw materials used by the company; contracts with Petrobras; and favorable legislation and government programs that reduced the company’s tax liabilities in Brazil.  This conduct resulted in corrupt payments and/or profits totaling approximately $465 million.
The Corporate Resolutions
The department reached these resolutions with Odebrecht and Braskem based on a number of factors, including: the failure to voluntarily disclose the conduct that triggered the investigation; the nature and seriousness of the offense, which spanned many years, involved the highest levels of the companies, occurred in multiple countries and involved sophisticated schemes to bribe high-level government officials; the lack of an effective compliance and ethics program at the time of the conduct; and credit for each company’s respective cooperation.  The companies also engaged in remedial measures, including terminating and disciplining individuals who participated in the misconduct, adopting heightened controls and anti-corruption compliance protocols and significantly increasing the resources devoted to compliance.
The criminal penalty for Odebrecht reflects a 25 percent reduction off the bottom of the U.S. Sentencing Guidelines fine range because of Odebrecht’s full cooperation with the government’s investigation, while the criminal penalty for Braskem reflects a 15 percent reduction off the bottom of the U.S. Sentencing Guidelines as a result of its partial cooperation.
Odebrecht has represented its ability to pay a maximum of $2.6 billion of the total fine amount.  The department and Brazilian authorities are engaged in further analysis regarding the company’s claimed inability to pay, which will be completed on or before March 31, 2017.
*          *          *
The FBI’s New York Field Office is investigating the case.  Chief Dan Kahn and Trial Attorneys Christopher Cestaro, Sarah Edwards, David Fuhr, Kevin R. Gingras, Lorinda Laryea and David Last of the Criminal Division’s Fraud Section and Assistant U.S. Attorneys Julia Nestor and Alixandra Smith of the Eastern District of New York are prosecuting the case. 
The Criminal Division’s Office of International Affairs also provided substantial assistance.  The SEC and the Ministerio Publico Federal in Brazil the Departamento de Polícia Federal and the Office of the Attorney General in Switzerland provided significant cooperation.
The Criminal Division’s Fraud Section is responsible for investigating and prosecuting all FCPA matters.  Additional information about the Justice Department’s Fraud Section FCPA enforcement efforts can be found at www.justice.gov/criminal/fraud/fcpa.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

66. A soberba esconde a fraqueza do governo Temer


A Câmara dos Deputados aprovou ontem, dia 20, a Lei de Renegociação das dívidas dos Estados, sem contrapartida. como queria o ministro da Fazenda Henrique Meirelles. O governo articulou para derrubar a sessão durante todo o tempo, prevendo a derrota da sua proposta, mas não obteve êxito. Na queda de braço, ganhou Rodrigo Maia e o "centrão". No final da noite, presidente Michel Temer, no entanto, anunciou que as "contrapartidas" dos Estados serão exigidos nos "contratos" de "adiamento" do pagamento das parcelas das dívidas por período de 3 anos.

O governo federal, leia-se Meirelles e Temer, não tem "moral" para exigir "sacrifícios" que aprofundem a retração da economia nos Estados, pela falta de investimentos públicos. Por outro lado, o PEC 241 autorizou o governo federal a cobrir os "rombos" dos gastos com "emissão de títulos da dívida pública". Neste ano, o Orçamento Fiscal prevê "rombo" de R$ 170,5 bilhões e para os próximos 20 anos, o PEC 241 autoriza o governo federal a emitir títulos da dívida pública, "tanto quanto necessário" para cobrir os "rombos" até o limite dos gastos de 2016, corrigido pela inflação. Vamos lembrar, novamente, que o PEC 241 flexibilizou a Lei da Responsabilidade Fiscal de 2000. 

Henrique Meirelles exige e presidente Temer endossa, o rigor nos Orçamentos Fiscais dos Estados, que a própria União não cumpre. A União não é obrigado a pagar suas contas com o que se arrecada.  O PEC 241 autoriza União a emitir títulos da dívida pública para cobrir os "rombos" fiscais. O governo Temer exigia dos Estados, no texto que veio emendado no Senado Federal, a demissão em massa dos funcionários públicos, a venda de empresas sob controle dos governos estaduais e aumento de alíquota das contribuições dos funcionários públicos à previdência própria, entre outras. 

Lembrei-me do ditado popular: "Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço!". Ou expressões semelhante ao: "Pimenta no olho dos outros não arde!"

O que destaca no presidente Temer e seu ministro da Fazenda Henrique Meirelles, é a soberba, de sempre. A "soberba" esconde a "fraqueza" do governo Temer. 

Ossami Sakamori


sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

65. A pinguela do Temer para o futuro!

Crédito da imagem: Gazeta do Povo

O tão esperado "pacote de incentivo ao crescimento econômico" do governo Temer, anunciado ontem, não passa de um corolário de boas intenções. Objetivamente, nenhuma das medidas anunciadas entra em vigor à partir de hoje. Tudo depende de medias legais cabíveis, que o governo Temer diz pretender implementar nos próximos meses. 

As medidas anunciadas, se implementadas, resolvem as inadimplências de alguns dos setores produtivos, de tributos e contribuições junto à Receita Federal. Resolvem, também, a inadimplência das pequenas e médias empresas junto ao BNDES. O governo Temer, pretende arrecadar cerca de R$ 10 bilhões com o programa Refis anunciado. Resta saber que, à essa altura, tem alguma empresa em condições de requerer o enquadramento aos programas anunciados. 

O ponto polêmico é liberação da parte do FGTS para pagamento de dívidas vencidas, por parte dos depositantes. Em tese, com o pagamento de dívidas vencidas, cria-se novamente a possibilidade de os atuais inadimplentes entrar no mercado de consumo, criando dívidas novas. A medida depende da edição de Medida Provisória ou através de Projeto de Lei, ambos sujeitos à aprovação pelo Congresso Nacional.

Outra medida que foi alardeado como medida de estímulo à criação de emprego pelo governo Temer, se refere à possibilidade pelas instituições financeiras de emitir títulos próprios para financiar a construção civil. Vamos lembrar que o setor de construção civil está paralisado não pela falta de financiamentos, mas por falta de demanda de imóveis prontos. O setor imobiliário está no chão, por falta de compradores para unidades prontas ou quase prontas, não pela falta de financiamentos. 

As medidas anunciadas pelo presidente Michel Temer e pelo ministro da Fazenda Henrique Meirelles, não são nenhuns gatilhos para o crescimento do País. As medidas não passam de boas intenções do que de estímulo ao crescimento. O governo Temer continua vendendo "ilusões" para a população. 

A "ponte" para o futuro do Temer continua sendo a "pinguela" para o pantanal de incerteza. 

Ossami Sakamori



sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

64. PEC 241 não é gatilho para o desenvolvimento do País

Crédito da imagem: Folha

Na próxima terça-feira, dia 13, vai ser votado no segundo turno, o PEC 241, conhecida como "PEC do teto dos gastos públicos". Como a Emenda Constitucional proposta foi aprovada no primeiro turno com expressiva maioria dos senadores, é dada certa a aprovação da PEC, considerada pelo governo Temer como uma medida crucial para retomada do crescimento. Ledo engano! A PEC 241, por si só, não é solução para todos os problemas do País.

Volto a repetir: A PEC 241 vem para "flexibilizar" a Lei de Responsabilidade Fiscal de 2000, que prevê o equilíbrio entre receitas e despesas do governo, incluindo nas despesas o pagamento dos "juros da dívida pública". O PEC 241 do teto dos gastos públicos "oficializa" o rombo fiscal de R$ 170,5 bilhões do Orçamento Fiscal de 2016 e admite a cobertura do "rombo" com emissão de "títulos da dívida pública". Isto é "austeridade fiscal?".

Seja como for, a minha opinião pouco vale. O ministro da Fazenda Henrique Meirelles convenceu o presidente Temer de que o "PEC 241, o do teto dos gastos públicos" (sic) era crucial para "retomada" do crescimento do País.  E assim fez, o presidente Temer que  encampou a "ideia" do Meirelles e passou divulgar esta "falsa noção" de que o PEC 241 é solução para todos os problemas do País. Nada disso é verdadeiro. Pelo contrário, a flexibilização da Lei da Responsabilidade Fiscal de 2000, vai custar muito caro ao País, no futuro. 

Para resolver o problema conjuntural de 2016, que prevê o rombo de R$ 170,5 bilhões, poderia ter sido resolvido com a aprovação de um PLN, assim como foi feito no apagar das luzes do ano para cobrir o "rombo" de 2015. O governo Temer, ao contrário, "oficializa" o rombo fiscal com o pretensa limitação de gastos públicos no mesmo nível do ano de 2016, corrigindo pelo índice de inflação, estendendo a medida para os próximos 20 anos. 

Na outra ponta, o governo Temer não apresenta "nenhum" plano de crescimento sustentável do País. O PEC 241 não é plano de crescimento, pelo contrário, o PEC 241 é um plano de "engessamento" do crescimento do País para os próximos 20 anos. O PEC 241, na prática, é a velha fórmula de controle da inflação, o "stop and go". Dentro desta fórmula clássica, o PEC 241 é o "stop" e o PEC do "go" (ir em frente), não sabemos quando virá. 

Michel Temer, nesses 7 meses de governo não apresentou ao País, nenhum "plano de crescimento sustentável", pelo contrário, pratica política econômica e monetária que favorecem aos investidores especulativos e o sistema bancário, praticando o pagamento de juros o mais altos do planeta. De certo, o presidente Temer acha que errados estão os Estados Unidos, Japão e Alemanha. O Brasil insiste em continuar sendo um país inovador, a "jaboticaba" do mundo.

PEC 241 não é gatilho para o desenvolvimento sustentável do País!

Ossami Sakamori



segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

63. Temer e Dilma são como irmãos siameses


O PMDB não consegue se desvencilhar do PT. Na madrugada de terça-feira última, quando os deputados desfiguraram o Projeto de Lei conhecido como "10 medidas contra corrupção", houve um "acordão" entre PT e o PMDB para propor alterações na Lei. Ambos partidos votaram, em quase unanimidade, os artigos da Lei que prevê a "mordaça" aos policiais, promotores, procuradores e juízes. A votação ocorreu na madrugada, às 3 horas da manhã. 

Horripilante foi, o presidente do Senado Federal tentar aprovar a Lei das "10 medidas contra corrupção", em "regime de urgência", no mesmo dia em que o Projeto de Lei foi aprovada na Câmara. Felizmente, o plenário do Senado percebeu a manobra do presidente Rena Calheiros e rejeitou a votação em "regime de urgência" por 44 votos contra 14 votos. O assunto deve ser pautado para esta semana.

O governo Temer controla a maioria absoluta do Congresso Nacional. Isto é fato! Portanto, é de crer que o presidente da República estivesse concordando com a manobra dos dois maiores partidos do Congresso Nacional, o PT e o PMDB. Conclui-se que, ou o governo Temer estivesse dando guarida a tudo que ocorreu na Câmara dos Deputados e à iniciativa do presidente do Senado Renan Calheiros ou foi uma demonstração de total fraqueza política do presidente Michel Temer.

Segundo a grande imprensa, o presidente Temer respirou aliviado, ontem, nas manifestações das ruas. Os temas que predominaram as manifestações foram contra o senador Renan Calheiros e o deputado Rodrigo Maia. Michel Temer sabe que se livrou destas manifestações, mas por outro lado, tem certeza de que as próximas manifestações terão como alvo a sua pessoa. Temer teme #ForaTemer, como o diabo foge da cruz. 

Com tamanha instabilidade política, envolvendo os aliados de ontem e de hoje, o PT e o PMDB, o desdobramento nas aprovação do projeto de reforma da previdência, considerado crucial e importante para o governo Temer, parece ter ficado ainda mais difícil.  À essa altura, o futuro do ministro da Fazenda Henrique Meirelles lembra bem os últimos dias do ex-ministro da Fazenda Joaquim Levy. Vamos relembrar que o Joaquim Levy teve que entregar o cargo antes da reforma estruturante que pretendia fazer.

Os investidores diretos institucionais vão esperar os próximos passos do governo Temer para, só depois, decidirem sobre investimentos produtivos. Ninguém é louco de se aventurar num cenário instável de hoje, não só na área econômica, mas sobretudo na área política.  Vou mais longe, o mercado financeiro, não garante que o governo Temer vá até o final do mandato.  O mercado financeiro começa a enxergar o PMDB muito parecido com o PT e o presidente Temer muito semelhante à ex-presidente Dilma. 

PMDB e PT são como irmãos siameses!

Ossami Sakamori